Fotos Ilha de Paquetá e pontos turísticos

Pontos turísticos de Paquetá contam parte da história do Brasil

A Ilha de Paquetá é uma ilha de um quilômetro quadrado no norte da Baía de Guanabara, que é muito popular entre os cariocas nos fins de semana.

Paquetá foi ocupada pelos índios Tamoios até o final do século XV. O viajante francês André Thevet relatou a descoberta da ilha, em dezembro de 1555. O rei Henrique II da França reconheceu a ilha em 1556. Foi ocupada pela primeira vez pelos Português em 1565 e mais tarde foi o resort favorito de Dom João VI.

Hoje em dia, a Ilha de Paquetá é quase inteiramente voltada para o turismo. Recebendo inúmeros visitantes anualmente. A ilha é um bairro histórico, com muitos locais de interesse cultural. Há históricas praças, monumentos, igrejas, capelas, estátuas, entre outros pontos turísticos. A Ilha de Paquetá é um pequeno pedaço da história do Brasil que tem sido preservada e protegida.

Uma das melhores coisas sobre a ilha é que não há carros! Há exceções, mas o principal modo de transporte é sobre duas rodas. Há vários lugares ao longo da entrada da cidade onde o visitante pode alugar uma bicicleta.

Se você quer um passeio diferente ao redor da Ilha, você também pode alugar uma charrete com um guia, que vai te mostrar a cidade.

Casa da Moreninha – está é uma das principais atrações da Ilha de Paquetá, graças ao romance do escritor Joaquim Manoel Macedo, A Moreninha. A casa rosa foi usada nas gravações da novela homônima em 1975. A casa é uma estrutura do século 18 e está muito bem preservada.

Pedra dos Namorados – no lado ocidental da ilha está uma grande pedra redonda na parte rasa do mar. No topo você vai notar muitas pedras pequenas e seixos. Ela o é conhecida como Pedra dos Namorados. O mito em torno dela é que você tem três chances para lançar uma pequena pedra na rocha maior com as costas viradas. Se a pequena pedra parar em cima da pedra grande, então você vai viver feliz para sempre com seu parceiro.

Cemitério dos Pássaros – aparentemente, o único cemitério de aves no mundo, que simboliza o amor pela natureza e pelos pássaros. Ele ainda é usado por moradores para enterrar suas aves de estimação. É um pequeno local pitoresco com algumas estátuas bonitas.

Baobás – a Ilha de Paquetá é um dos dois únicos lugares no Brasil onde você pode encontrar a árvore Baobab Africano (o outro é no Passeio Público de Fortaleza). Há vinte delas na ilha, mas o mais famoso está localizado na Rua dos Tamoios e é chamado de Maria Gorda. Diz a lenda que se você beijar a árvore e cuidar dela, terá muitos anos de sorte.

Casa de Artes – este centro cultural foi inaugurado em 1999 e é composto de várias salas de exposição, uma biblioteca e um café. Ele fica localizado na Praça São Roque. Os eventos no local incluem recitais, chorinho, cinema, exposições e workshops.

Casa de José Bonifácio – José Bonifácio de Andrade e Silva, um estadista do Império, conhecido como o Patriarca da Independência foi o tutor do imperador Pedro II. Residiu durante anos em seu rancho em Paquetá. Foi afastado do cargo em 1833 pelo maestro Diogo Antonio Feijó. Em seguida, deixou a política e passou seus últimos anos na ilha de Paquetá. Ele viveu apenas alguns meses em Niterói, onde morreu em 1838. As visitas são permitidas apenas fora da casa.

Igreja do Senhor Bom Jesus do Monte – sua capela original é de 1763. Mais tarde, em 1810, tornou-se a matriz de Paquetá. Muitos casamentos ocorrem nesta pequena igreja bucólica.

Ponte da Saudade – existe uma lenda relacionada com esta ponte. John Saudade, escravo Africano da nação Benguela, chorava todas as tardes na ponte depois de ter perdido sua esposa e filhos. Diz a lenda que um dia ele desapareceu no meio de um incêndio e que voltou para sua amada família.

Solar D’El Rey – edifício pertenceu ao brigadeiro Francisco Gonçalves da Fonseca, um comerciante de escravos. O edifício foi utilizado na década de 20 como uma escola. No local funciona a Biblioteca Popular de Paquetá.

Canhão da paria de Tamoios – este canhão saudou a chegada de D. João VI. A arma foi encontrada ao lado da Plaza de Bom Jesus. No entanto, não está escrito na placa que este foi o lugar onde eles saudaram o Imperador . Vale, no entanto, como a memória de visitas do rei D. João VI a ilha.

Capela de São Roque – construída em 1698 foi alterada em períodos subsequentes. São Roque era o santo padroeiro dos proprietários da Fazenda São Roque, assim como dos habitantes da ilha.

Poço de São Roque – localizado entre a Capela de São Roque e as sedes das escolas públicas. Suas águas tem a fama de ser milagrosa. Alegadamente, o rei D. João VI foi curado pelas águas e se tornou um devoto de São Roque depois de sua cura. Atualmente, o poço é fechado.
Ilha de Paquetá 1

Ilha de Paquetá 2 Ilha de Paquetá 3 Ilha de Paquetá 4

Ilha de Paquetá 5 Ilha de Paquetá 6 Ilha de Paquetá 7 Ilha de Paquetá 8





Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *